domingo, maio 01, 2016

Árvore Genealógica - Em busca das origens


Meus avós maternos, tias-avós, bisavó, mãe e tios
Caros amigos, como prometido, começo aqui uma pequena série de posts para aqueles que se interessam pela busca de suas origens, em conhecer sua ancestralidade. Espero poder de alguma forma contribuir com suas pesquisas.

Algumas palavras iniciais
Desde criança eu sempre tive grande curiosidade em saber sobre a história de minha família, especialmente quando se falava de ancestrais (ascendentes já falecidos, normalmente de várias gerações anteriores). Ficava calado, olhos abertos, ouvindo minha tia-avó Zita (a que está sentada à direita da foto, segurando meu tio) contar as histórias de seus pais, avós, tios-avós, primos-bisavós, etc. 
Os casos e anedotas por ela compartilhados sempre impulsionaram minha imaginação. Ficava pensando em um de seus avós cruzando o oceano em busca das terras brasileiras, de um de seus bisavós que era delegado de polícia no Brasil colonial, de seus ancestrais diretos e indiretos que participaram de guerras e insurgências, sempre curioso com os desfechos das histórias. Vez ou outra eu perguntava o nome da família a qual pertencia o ancestral em questão. Aí, ela vinha com uma lista de nomes que sempre repetia, talvez para incutir em minha memória e não me deixar esquecer nossas origens: Dias D´ávila, Dias Brandão, Pinto Pacca, Rodrigues Pinto, Cachoeira, Mattos Guerra, Goes e Vasconcellos, Abreu e Lima, Carvalho e Albuquerque, Pereira Marinho, Braga Sampaio, Tinta, e por aí ia a longa lista. Ficava impressionando como sua memória já anciã guardava tanta informação. Especialmente porque ninguém na família, a não ser ela, se interessava por esses pormenores, os quais se mostraram importantíssimos nas minhas buscas quando a leitura de documentos começou a ser feita. 
1A: Meu bisavô é o n. 4 - Mário Dias Brandão.
Do livro "Impressões do Brasil no Século Vinte"
P. 885, Lloyd's Great Britain Publishing Co., 1913
Apesar de todo seu conhecimento da nossa história, alguns fatos como, por exemplo, o lugar de onde seu avô materno era originário, haviam caído no esquecimento após duas gerações, restando apenas nas lembranças os feitos e os seus ensinamentos. Aliás, conversando com as pessoas descobri que esse é geralmente o limite de conhecimento sobre os antepassados: duas gerações. E, incrivelmente, há aqueles que não conhecem sequer os nomes de seus avós , pois os pais não falam sobre seus pais a seus próprios filhos (o que para mim é um escândalo!). Talvez essa falta de interesse familiar de nossa sociedade seja mesmo a razão pela qual ao comentar com algumas pessoas sobre as minhas pesquisas genealógicas elas revezem os questionamentos: "você não tem mais o que fazer?" ou "está querendo tirar passaporte português?". Elas não conseguem entender como alguém pode se interessar pela história de sua família e seus ancestrais, ou como alguém pode passar horas lendo livros velhos e empoeirados, ou buscando na Internet informações sobre pessoas que já se foram há tanto tempo. Tem gente que passa duas horas assistindo a jogos, outros passam a tarde inteira assistindo novelas mexicanas, outros passam seu tempo dormindo, outros estudando a origem do universo. Eu, ultimamente, tenho preferido passar meu tempo livre com pesquisas familiares as quais, além de me levarem ao conhecimento das minhas origens, também me abriram caminho para outras áreas do saber como a onomástica, a paleografia, a antropologia e, obviamente, a história. 

Coincidências à parte...
Depois que minha tia Zita se foi, as conversas sobre meus ancestrais quase não existiram. No entanto, lá nas minhas recordações, a chama da curiosidade ardia a custo, tremulante, querendo uma palhinha para voltar a luzir mais fortemente. 
avós maternos
Isso aconteceu, certo dia, quando  estava assistindo a uma série estadunidense da qual eu gosto muito chamada "Brothers and Sisters" (Irmãos e Irmãs) que se desenrola em torno da família Walker e de suas tribulações e alegrias, conflitos e amores. Em um dos episódios da série, surge uma personagem secundária que é totalmente obcecada por genealogia e que descobre coisas interessantíssimas sobre os ancestrais dos Walkers simplesmente buscando informações sobre eles na Internet, a qual, segundo a personagem "faz a sua cabeça rodar pelas coisas que permite que a gente encontre nas buscas". 
Essa frase ficou martelando na minha cabeça, a força da curiosidade gerada por esse comentário aumentando cada vez que a personagem dizia algo novo sobre os ancestrais das personagens principais. 
Terminado o episódio, sentei na frente do computador e, lentamente, como quem se sentia um bobo por seguir a recomendação de uma personagem de série de TV, pus o nome de meu bisavô materno no Google, sacudi a cabeça me reprovando, cliquei no "enter". Menos de um segundo depois aparece diante de mim o resultado. Vários Mários Dias, Mários Brandão e apenas um que combinava os dois sobrenomes e que fazia parte de um livro sobre como era o Brasil no dealbar do século 20 e quem eram as figuras ilustres de cada Estado brasileiro na época. Cliquei no link, abriu-se a foto que postei acima (1A). 
avós paternos e tios
Quando bati o olho no rosto n. 4 logo reconheci aquela cara bonita por trás do bigodão. Meu bisavô, o mesmo da foto na parede do nosso gabinete, estava ali, na internet, diante dos meus olhos. Liguei para minha avó, perguntei se ela sabia de algum livro no qual o nome e a foto de seu pai constavam, ela disse que não -  ninguém sabia, minha tia nunca mencionara o livro. Começava aí a minha busca pelos tesouros perdidos. Desliguei o telefone, escrevi o nome do meu trisavô. Lá estava ele! Um dos heróis que arriscaram a própria vida durante o incêndio na Faculdade de Medicina da Bahia, em 2 de março de 1905! 
Olhei minha cara refletida no espelho à minha frente, a boca estava aberta em sinal de pasmo. Senti correr em meu corpo aquele raio elétrico de excitação e assombro. Como ninguém nunca tinha pensado em fazer isso?! Continuei a pôr os nomes de que me lembrava, alguns resultados positivos, outros sem nenhum resultado. Entre esses resultados positivos, talvez o mais espantoso tenha sido um sobre a família do avô materno de meu pai, da qual não sabíamos quase nada. Na verdade, a não ser pela foto do meu bisavô, nada mais sabíamos de sua história ou de seus ancestrais, apenas que ele era português e morrera quando minha avó ainda era criança. Pus o nome dele no Google e descobri que era comerciante em Salvador. Pus o nome de seu pai na pesquisa e encontrei um site com um texto longuíssimo falando sobre o homem e sobre sua importância na cultura da cidade de Ílhavo, em Aveiro, Portugal. João da Rocha Carolla, músico ilhavense de outrora, dizia o site. E eu sem ter ideia de onde era o Ílhavo! 
Foi assim, por coincidência, com a ajuda da Internet, por causa de uma série de TV, que iniciei a busca pela história esquecida da minha família.
João da Rocha Carolla - trisavô paterno
Como iniciar suas pesquisas genealógicas
Toda pesquisa genealógica começa com o conhecimento dos nomes de seus ascendentes. Uma boa maneira de você descobrir quem eram eles é olhando sua certidão de nascimento, pois nela constam os nomes de seus pais e seus avós. Depois de saber isso, procure as certidões de nascimento de seus pais, lá constarão os nomes dos pais e dos avós deles - assim você saberá os nomes de seus pais, avós e bisavós. Se ainda conseguir a certidão de seus avós, aí você conseguirá saber os nomes de seus trisavós, e assim por diante.
Uma ideia boa e simples para começar a montar sua árvore (pois existem formas técnicas, algumas delas meio rebuscadas), é você usar o programa Excel => Ferramenta SmartArt => Hierarquia e ir escrevendo as informações (nome e sobrenomes, data de nascimento, casamento, óbito) a partir de você (você pode fazer isso numa cartolina também). Eu mesmo comecei minha árvore pondo os nomes numa folha de ofício A4, pois nunca pensara que ela chegaria tão longe. Na verdade, eu achava que iria encontrar no máximo quatro ou cinco gerações. Mas a pesquisa foi se aprofundando, os documentos disponíveis, na grande maioria, estavam bem conservados, aí eu fui me deixando pesquisar.

O Excel é bom, no entanto, pois com os recursos de adicionar novas cédulas ao lado e abaixo no programa, você pode fazer sua árvore ad infinitum desde que vá aumentando o tamanho da página, e se precisar corrigir alguma data ou nome, o trabalho ficará muito mais fácil e organizado. A minha árvore, por exemplo, já chegou à 13a geração antes de mim (em torno de 1584), e nesses dois anos de pesquisa eu precisei fazer algumas correções de nomes, datas e lugares de origem do ancestral, conforme as informações dos documentos - por essa razão, não devemos apenas procurar os ancestrais diretos, devemos também procurar os irmãos deles para termos certeza da informação prestada no material que temos.
Mas de onde raios vem o nome "árvore genealógica"? Ele é derivado do formato que ela tem, lembrando uma árvore e suas ramificações, pois ela vai crescendo para cima (começando de um ancestral comum a todos os outros descendentes dele/a) ou para baixo (se você começar de si mesmo). Neste último formato você vai descobrindo que à medida em que se encontram novos ancestrais, a árvore vai ficando cada vez mais robusta na base, pois cada um de nós tem 2 pais, 4 avós, 8 bisavós, 16 trisavós 32 tetra-avós, e assim por diante. 

Onde encontrar os registros
Quando comecei a pesquisar, apenas tinha conhecimento do Google Search. Não sabia aonde ir ou a quem pedir ajuda. Quando se acabaram as informações da Internet sobre os ancestrais que eu conhecia, fiquei num mato sem cachorro. Daí, joguei a pergunta no buscador online: "onde pesquisar genealogia". Vários sites foram encontrados e eu comecei a buscar informações neles. Demorou algum tempo até que descobri aonde ir em Salvador. 
Via de regra (não só aqui, mas pelo mundo), os registros a partir de 1900 poderão ser conseguidos no cartório - mas lá será necessário você ter datas de nascimento, casamento, óbito, não apenas o nome. Outra forma de conseguir os registros de nascimento, casamento e óbito no Brasil e Portugal é nos livros de assentos de batismo, matrimônio e óbito da igreja católica. 
Os registros da igreja supracitados estão disponíveis em Salvador no laboratório de restauro da Universidade Católica, na Federação (http://www.ucsal.br/extensao/projetos-e-acoes-comunitarias/laboratorio-de-conservacao-e-restauracao-reitor-eugenio-veiga-lev) e na Cúria Metropolitana, no Garcia (http://arquidiocesesalvador.org.br/site/). Embora os arquivos estejam disponíveis livremente à pesquisa pública, é necessário fazer o agendamento prévio. 
Em Portugal, os registros são disponibilizados nos Arquivos Distritais, na Torre do Tombo, em Lisboa, e na Universidade de Coimbra, em Coimbra, tanto presencialmente como através da Internet. Para mais informações, vá aqui:  http://www.aatt.org/site/index.php?P=3
Outra maneira de conseguir informação sobre os assentos de batismo, casamento e óbito da igreja católica (lembrem-se que no Brasil e Portugal esses registros eram feitos pela igreja, portanto, os registros antes de 1900 com certeza estarão nos arquivos eclesiásticos), é através do site dos mórmons: Family Search. Por questões religiosas, eles mantém o maior banco de dados genealógico digitalizado a partir dos livros das igrejas e registros civis pelo mundo. Isso quer dizer que provavelmente você não precisará sair de sua casa para acessar os registros de seus ancestrais. O site é este aqui: https://familysearch.org/search/collection/location/1927159?region=Brasil. Para começar a pesquisar no site é bom você seguir a visita guiada. 
1B - Certidão de batismo de meu bisavô (Brasil). Ao canto esquerdo lê-se o (prenome) Mário, e a cor (branco). No texto: a data de batismo, data de nascimento, nomes dos pais, e padrinhos; assinatura do padre.
Uma dica para começar a pesquisa é que você pode iniciá-la de duas formas: com as certidões de casamento ou batismo. Nas primeiras, geralmente, você encontrará os nomes dos noivos e de seus pais. Para mim, é o modo mais fácil, pois nos assentos de casamento escreviam-se os nomes de ambos os noivos na lateral do documento, enquanto nos assentos de batismo apenas se escreviam os prenomes das crianças. Desse modo, a certeza de que se encontrou o ancestral correto é maior. Depois de encontrar o certificado de matrimônio, passe ao de batismo. Como os métodos contraceptivos não eram vistos com bons olhos, o primeiro filho sempre vinha nove meses depois do casório, assim, se seu ancestral tiver se casado em janeiro de 1900, tudo correndo bem, seu primeiro filho, com quase absoluta certeza, terá nascido em outubro. Aí você passa a procurar nos assentos de batismo a partir de agosto (o bebê pode ter vindo prematuro) para encontrar seus ancestrais e os irmãos deles. Note que a igreja escrevia apenas o prenome da criança, portanto, há que se ler o certificado de batismo para encontrar os nomes dos pais e (geralmente, em Portugal, raríssimamente no Brasil) os nomes dos avós como se pode observar nas imagens 1B e 1C. As certidões de batismo e casamento portuguesas às vezes vêm com riquezas de detalhes a ponto de informar inclusive a profissão do pai e dos avós da criança, No Brasil, as informações são extremamente básicas - uma das certidões que encontrei, por exemplo, tem apenas a data do casamento dos nubentes, os nomes das mães (ambos constam como filhos legítimos, mas o padre não se deu ao trabalho de incluir os nomes dos pais, que já estavam mortos) e a assinatura do padre. Nesse caso, a pesquisa se torna um pouco mais difícil. 
1C - Certidão de batismo da avó do meu bisavô - minha tetra-avó - (Portugal). Ao canto superior esquerdo lê-se a vila de origem (Covellos) e o prenome (Maria). No texto: dia do nascimento, filiação e vila de origem de cada um dos pais, os nomes dos avós paternos e maternos e suas vilas de origem, o nome da igreja, os nomes dos padrinhos e testemunhas e suas vilas, e a assinatura do vigário. 
Por esta razão, temos que lembrar da existência de outros documentos que nos confirmem filiação, origem, etc., tais quais passaportes, testamentos, certidões de compra e venda, documentos das Forças Armadas, Câmaras Municipais, casamento civil (a partir de 1890), documentos de divórcio (idem), etc. Para ter acesso aos passaportes de portugueses antes de 1910, e os cartões de imigração do Brasil, pode-se consultar os Arquivos Distritais, o Family Search, Arquivo Nacional do Rio de Janeiro. Para os outros documentos, procure o Arquivo Público de sua cidade. No APEBa (em Salvador), eu encontrei vários inventários, testamentos, cartas de dote, recibos de compra e venda de imóveis e produtos, correspondências dos ancestrais que eram delegados de polícia, e os livros da Polícia do Porto, onde se pode ver a entrada e saída de passageiros pelo Porto de Salvador - você também encontra esses livros da Polícia do Porto digitalizados no Family Search). Para mais informações sobre o Arquivo Público da Bahia, APEBa, em Salvador, vá aqui: http://www.fpc.ba.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=66. Você ainda pode procurar na Fundação Gregório de Mattos http://www.culturafgm.salvador.ba.gov.br/ - lá encontrei alguns registros de óbito, casamento civil e documentos da Câmara Municipal -, e nos arquivos da Santa Casa de Misericórdia da Bahia: http://www.santacasaba.org.br/ - se seus ancestrais eram ligados à Santa Casa, e.g. se eram irmãos, provedores ou mesários, ou se foram sepultados no Campo Santo, você encontrará informações valiosas sobre eles como data de nascimento e morte, nome do cônjuge, etc. 

E então, prontos para começar os primeiros esboços de sua árvore genealógica? No próximo post falaremos a respeito dos sobrenomes, e daremos dicas de como ler e entender a grafia nos documentos antigos.

Gostaram? Então divulguem. 




4 comentários:

emerson ribeiro ribeiro disse...

Marcio Você fez reacender a vontade pela terceira vez em mim a vontade de fazer a arvore da minha família,me deu uma nova direção, vou começar agora mesmo, a um mês atrás tentei recomeçar mas sem sucesso agora depois do seu post, vou mais a fundo, muito obrigado amigo por reacender a chama.

Anônimo disse...

Meu caro

Li hoje os princípios de um romance que ainda terá muito para nos revelar. Li e voltarei a ler, na certeza de que as histórias ainda hão de ter muitos mais capítulos... Passo a passo, corrida a corrida, o meu amigo tem aqui muito que ensinar a quem quiser iniciar tarefas semelhantes de descoberto dos seus ancestrais. Estou ansioso por terminar uns trabalhos para retomar outras na sua peugada. Um abraço.

Marcio Machado disse...

Que bom que pude ajudar, Emerson!
A busca pela nossa história é uma tarefa árdua, mas maravilhosa!
força e muito sucesso pra vc!

Marcio Machado disse...

Muito obrigado, meu amigo. Esse romance ainda vai levar um tempo, mas como você diz, passo a passo chegaremos lá!