domingo, fevereiro 08, 2009

Barco a vela / Sailing boat

A minha vida é um barquinho de vela vermelha
Velejando sobre o mar azul.
Às vezes encontra um porto e às vezes só o vento
Frio lhe faz companhia.
De dia, o sol lhe ilumina o caminho;
De noite, vêm a lua e o cruzeiro do sul.
Mas antes que se acostume, nasce o dia
E novamente as estrelas o deixam sozinho.
Minha vida é um barquinho de vela vermelha sobre o mar azul.

Eu pensei haver chegado a uma enseada de águas claras e cristalinas.
Baixei as velas e fiquei a ver a paisagem e o verde das colinas.
Foi lá que encontrei à tarde um rosto terno e um querer-bem eterno
Que me invadiu o peito e me fez livre como as gaivotas cortando o céu,
Brilhante como o rosto da noiva ao tirar do véu, como a primavera após o inverno.
Mas a minha vida é um barquinho de vela vermelha velejando o mar azul.

Qual foi o vento, qual foi, que te trouxe e te levou tão de repente?
E aqueles olhos teus felizes e o meu riso contente 
Parece para sempre ter extinguido?
Às vezes eu me lembro daquele porto e do último beijo, corrido,
Que nos demos. Se eu soubesse, meu Deus, se eu soubesse!
A minha vida é um barquinho solitário sobre o mar azul.

Dentro de mim há tempestades e furacões terríveis
Que só o teu abraço, o teu cuidado, o teu querer-me podiam conter.
Agora, velejando sobre o mar solitário, o meu barco é um esquife
Onde quero adormecer e sonhar por auroras e pelo anoitecer
Até que a vida passe e essa vontade de tocar-te os lábios acabe.
A minha vida é um barquinho de velas desbotadas sobre o cinza do mar.
E eu não sei, indo assim à deriva, quando ele vai retornar.

VISITE: www.marciowaltermachado.com.br

My life is a little red sails sailing boat crossing the blue sea.
Sometimes she finds a port, sometimes the cold wind is her only company.
In the day, the sun lights her way;
At night she sees the moon and the South Cross come.
But, before she gets used to their presence, the day breaks, and again,
The stars leave her alone.
My life is a little red sails sailing boat crossing the blue sea.

I thought I had reached a bay of pure and clear waters.
So, I brought down the sails and sat to watch the landscape and the green hills.
There, at dusk, I met a tender face and an eternal love
That stormed into my heart and made me free as seagulls in the sky;
Bright as the bride’s face unveiling her countenance, like spring after the winter.
But my life is a red sails sailing boat crossing the blue sea.

Which wind was it, which one, that brought you and so suddenly took you away?
And those happy eyes of yours and my contented smile
Seems forever to have waned?
Sometimes I remember that port and that last hasty kiss.
If I had known, God, had I known better!
My life is a lonely sailing boat crossing the blue sea.

Within me there are terrible tempests and hurricanes
That only your embraces, your care, your desire for me could tame.
Now, sailing the solitary sea, my boat is a coffin
Where I want to fall asleep and dream throughout dawns and dusks
Until life passes by and this longing to kiss your lips be finished.
My life is a little bleached sails sailing boat on the gray sea.
And I don’t know, drifting as she is, if one day she’ll return.

VISIT: www.marciowaltermachado.com.br

2 comentários:

Pritcila disse...

Mas é isso mesmo... as vezes nao percebemos quando aquela oportunidade será a ultima... as vezes deixamos passar algumas coisas, mas nao devemos desistir nunca... Ta lindo o poema... introspectivo,mas esta muito bom!!
abraços amigo

Pritcila disse...

pois é amigo...as vezes nem percebemos e deixamos passar algumas coisa, algumas por distração, ou por achar que algum dia aquela sensaçao gostosa vai ter fim...mas assim como seu barquinho ai... continue a velejar.. é preciso! um dia seremos recompensados!