segunda-feira, julho 30, 2012

FELIZ DIA DO AMIGO PRA VOCÊ TAMBÉM! HAPPY FRIENDS' DAY TO YOU TOO!

(SCROLL DOWN THE PAGE FOR THE ENGLISH VERSION)


Ainda hoje, mais de uma semana após a data, recebo felicitações via celular e Internet pelo Dia do Amigo - celebrado no Brasil, Argentina e Uruguay no dia 20 de julho - com a ressalva "desculpe a demora, mas nossa amizade é todo dia!" ou "demorei, mas cheguei". É muito bom ser lembrado e, melhor ainda, é saber que tantas pessoas nos têm como queridos seus. Bom saber também que muitas dessas pessoas que gastaram alguns minutos do seu tempo para digitar um torpedo, enviar um e-mail elaborado, postar uma mensagem no Facebook ou Orkut (ainda tem gente que usa!) estão longe, em outros estados ou países ou, ainda, afastadas pela correria da vida, mas que sempre têm reservado em suas recordações e seus sentimentos um espaço para nós. 

Entre essas mensagens de pessoas queridas e cuja amizade sólida a gente parece ter desde sempre, há algumas de conhecidos, outras coletivas enviadas por contatos virtuais e outras de quem a gente nem sabe quem é. Isso, por um lado, é bom, pois mostra que a data está se popularizando e que as pessoas querem demonstrar alguma espécie de carinho pelo próximo; por outro, nos traz a pergunta: você realmente é amigo de alguém ou só está querendo "aparacer"?

Parece complicada a escolha de palavras no questionamento acima. Mas nessa nossa sociedade das relações passageiras, dos amigos virtuais e dos sentimentos efêmeros, ela prova ser pertinente. 

Veja bem: as palavras "amigo" em português e espanhol, "ami" em francês, "amico" em italiano, vêm do latim antigo "amicus", que deriva de "amacius" - amante -, que se origina do verbo "amare" - amar; assim também, "friend" em inglês,  "freund" em alemão, "vriend" em holandês, são derivadas do verbo teutônico "freon" - amar - que tem como base o sânscrito "pryá" - muito querido ou desejado; em hebraico ela é  "raver" - de alguma forma derivada de "orrav" - amar - e em grego "filo" - aquele que ama. Em finlandês há ainda a palavra "ystävä", que diferentemente de "kaveri" - colega, alguém com quem você tem relações sociais -, dá a idéia de alguém com quem temos laços espirituais, união para toda a vida. 

Ou seja: "amigo" é aquele que ama, que é amante de outrem e que deseja estar perto do outro e estender-lhe a mão sempre que preciso. Não é de estranhar, por exemplo, que nos clássicos da literatura de língua portuguesa, e.g., Machado de Assis, os amantes se chamem mutuamente de "meu amigo" e "minha amiga" e que haja em nossa língua as "Cantigas de Amigo" que eram, na verdade, endereçadas às amantes; ou que nas Santas Escrituras o rei Davi diga a seu amigo Jônatas "mais maravilhoso era o teu amor do que o amor de mulheres" (2 Samuel 1:26); ou ainda nosso Senhor ensine aos seus discípulos que "não há maior amor do que este: alguém dar a sua vida pelos seus amigos" (Ev. de S. João 15:13). Por isso, não deve nos chocar saber que talvez por conhecer o significado real da palavra "amizade" Stan Laurel tenha caído em depressão após a morte de Oliver Hardy (atores da dupla "O Gordo e o Magro") e  nunca mais tenha se recuperado. Afinal, "amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração" como fala a canção que todos nós já devemos ter ouvido por aí. 

Como eu disse anteriormente, a pergunta feita neste texto não é sem motivo. No Brasil é muito comum ouvirmos as pessoas dizerem que têm um milhão de amigos e até mesmo chamar de amigos pessoas a quem eles acabaram de conhecer. Mas quantos desses amigos podem realmente contar com você e com quantos deles você pode contar? 

Faça um cálculo baseado nas seguintes questões: 1) se eu ficar gravemente doente, Amigo cuida de mim? 2) se eu precisar de dinheiro ou moradia, Amigo me estende a mão? 3) se eu precisar desabafar, posso contar com Amigo? 4) se às três da manhã me bater uma crise existencial, posso ligar para Amigo? 5) Se eu realizar o maior sonho da minha vida, Amigo fica genuinamente feliz por mim? 6) se eu tiver um segredo comprometedor, posso contá-lo a Amigo na certeza de que não serei julgado, condenado e aniquilado? - OK, são todas questões hipotéticas antecedidas de "se", mas que um dia podem lhe acontecer, então, vale a pena pensar nelas. Depois de fazê-lo, inverta o sujeito e o objeto perguntando-se: "se Amigo ficar gravemente doente, eu cuidarei dele?", etc.  

Não quero com este post dizer que amizades reais não existem, ou que amigos virtuais não podem tornar-se amigos reais (eu mesmo tenho alguns amigos virtuais que são como irmãos/irmãs pra mim) ou que temos de nos tornar paranoicos exclusivistas à procura do Santo Graal das amizades. É apenas uma tentativa de nos fazer pensar um pouco em como estamos usando as palavras de nossa língua, em como em vez de usar o sagrado como tal, o estamos profanando na banalização do uso generalizado e sem cuidados. Porque "amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito, dentro do coração" e no coração a gente só guarda as coisas santas, como o pulsar da vida; como o amor; portanto, como um amigo.

Neste dia do amigo - 30 de julho é o dia instituído pelas Nações Unidas como celebração universal da amizade - pense nas pessoas - presentes física ou virtualmente - que realmente fazem a diferença em sua vida e em cujas vidas você faz a diferença; pense nos amigos, aqueles a quem você ama e quer ter por perto, que podem contar com você em todo o tempo; pense também em como seria a sua vida sem eles e lhes mande aquela mensagem de carinho que tanto nos faz bem quando a lemos. 

E tenha um feliz Dia do Amigo você também.

VISITE: www.marciowaltermachado.com.br 




I have been receiving many messages via cellular and Internet texts, even one week after the actual date, congratulating me on Friends' Day - it's celebrated in Brazil, Argentina and Uruguay on the 20th of July - with the note "sorry for my delay, but ours is an every day friendship!" or "I'm late, but I'm here". It's really good to be remembered, and better still is to know that so many people have us in their deepest regards. It's also great to learn that many of those people who spent some minutes of their time to type a text or to send a carefully written e-mail, post a message on Facebook or Orkut (some people still use the latter) are faraway, in other states or countries, or even distant due to the rush of everyday life, but who always have a place for us in their thoughts and feelings.

Among the messages of those dear people whose solid friendships we seem to have had forever,  there are some from acquaintances, others sent in by the thousands from virtual friends and some others from people we never heard of. This, on one side, is good because it shows us that the date in question is catching on and people want to demonstrate some kind of "I care about you" feeling towards thier neighbors; on the other hand, it makes us ask: are you a real friend to somebody or do you just want to "show off"?"


The choice of words above seem to be complicated. However, in this society of ours where relations are fast, virtual friends are aplenty and feelings are ephemeral, it proves to be pertinent. 

Observe: the words "amigo" in Portuguese and Spanish, "ami" in French, "amico" in Italian, come from the Old Latin noun "amicus", derivative of "amacius" - lover -, which originates from the verb "amare" - to love. Also, "friend", from English, "freund" from German and "vriend" from Deutsch derive from the Teutonic verb "freon" - to love -  whose basis is the Sanscrit word "pryá" - very dear or desired; in Hebrew its "chaver" - somehow deriving from "ochav" - to love; in greek it's "philo", meaning "he who loves". In Finnish it means "ystävä", which, differently from "kaveri" - a dude, someone of your social relations -, impart an idea of soulmate, somebody with whom we have a life-long spiritual bondage.  


In other words: "friend" is the one who loves, who is a lover to someone and who desires to be nearby and give a helping hand at all times. It doesn't surprise us, thus, that in the classical literature in Portuguese language, e.g.; Machado de Assis, lovers call each other "my friend", or that the so called "Cantigas de Amigo" (Friends Chants) were in fact adressed to lovers; or that in the Holy Scriptures, king David says to his friend Jonathan "very pleasant hast thou been unto me: thy love to me was wonderful, passing the love of women"(2 Samuel 1:26); or that our Lord teaches His disciples "Greater love hath no man than this, that a man lay down his life for his friends" (The Gospel of St John 15:13). Hence, we should not be shocked to learn that maybe because of knowing the real meaning of the word "friendship", Stan Laurel  fell into depression after the death of Oliver Hardy (from the "Laurel and Hardy" slapstick double act) never being able to recover. After all, "a friend is something for us to keep in the deepest and most hidden place, within the heart" as that song that we all might have heard says. 

As I said before, the question in this text is not without a purpose. In Brazil, it's very common that we hear people say they have a million friends or even call friends people they just met. But how many of those friends can really count on you and how many of them can you really count on? 

Just calculate on the following questions: 1) If I get seriously ill, will Friend take care of me? 2) if I need money or housing, will Friend give me a hand? 3) if I need to bear my soul with someone, can I count on Friend? 4) if I am in the middle of an existence crisis at three in the morning, can I call Friend? 5) if the biggest dream of my life comes true, will Friend be genuinely happy for me? 6) if I have a compromizing secret, can I tell it to Friend being sure that I won't be judged, condemned or annihilated? - OK, I know, they're always hypothetical questions preceeded by "if", but they might as well happen to you some day, so, it's worth your while to give them some thought. After doing it, invert the subject and object positions and ask yourself: "if Friend gets seriously ill, will I take care of him?", etc.   

It's not my intention with this post to say that real friendships don't exist, or that virtual friends may not be as real friends as anyone physically present (I myself have some great friends over the Net who are like brothers/sisters to me), or even that we have to become self-aggrandizing paranoids in the search of the Holy Grail of friendship. It's just for us to think a little about how we are using the words of our languages, about how, instead of keeping pure the sacred things, we are desecrating it in the banalization of general and careless usage. Because a "friend is something we must keep on the left side of the chest, inside the heart", and in the heart we just keep the holy things, such as the pulsing of life; such as love; therefore, such as a friend. 

On this Friends' Day - the 30th of July is the date the United Nations set for the universal celebration of friendship - think about the people - physically or virtually present - who really make a difference in your life and in whose lives you  make a difference; think about the friends, the ones you really want to have around, who can count on you at all times; also, think about how your life would be without them and send them that message of fondness that does us so much good when we read them.

And have a happy Friends' Day you too!

VISIT: www.marciowaltermachado.com.br 


Nenhum comentário:

Tervetuloa Turkuun! Turku, a cidade da margarida gigante.

“Perplexidade” – essa é a palavra que toma conta de nós quando ouvimos falar de ataques terroristas. Pois, é difícil entender, por exem...