domingo, outubro 13, 2013

Dublin, Irlanda, Intercâmbio estudantil (texto 2)

Tudo resolvido: desembarque em Dublin, malas na mão, fila de imigração, entrevista. Vejamos o que fazer agora.

 
Uma vez tendo passado pela imigração, é só sair em direção ao ventinho frio dos ares de Dublin. O aeroporto é razoavelmente grande, mas simples. Assim que você sai do desembarque os terminais de ônibus/táxi sorriem pra você. Se você sair no terminal 1, siga direto pelos portões, e na saída, desça à direita pela escada rolante. No terminal 2, siga em frente até sair de dentro do salão de desembarque. A tarifa de ônibus varia de acordo com o ponto onde você descerá. Para o Centro é geralmente 2.80 euros - portanto, é necessário que você diga ao motorista em que lugar da cidade você vai ficar e lhe pergunte quanto custa até lá (a pergunta é fácil: "how much to ...?" /ráu match tchu .../ - memorize os números em inglês -, eles, na grande maioria, são geralmente muito gentis e terão paciência para lhe dizer o valor número por número (alguns, no entanto, são muito impacientes). OBSERVE QUE NÃO HÁ A PROFISSÃO DE COBRADOR DE ÔNIBUS, daí você ter de depositar o valor exato em moedas no coletor eletrônico que fica ao lado do motorista. Depois disso, retire o tíquete à sua esquerda - se você depositar 3 euros em moeda quando a passagem for 2.80, por exemplo, no seu tíquete constará "refund due E20", significando que depois você poderá recolher o reembolso num lugar específico indicado no final do papelzinho.

É interessante notar que todos os ônibus têm painel eletrônico com o nome dos destinos passando em letras amarelas. Os pontos de ônibus também têm esses painéis indicando (em inglês e gaélico) o número do ônibus que passa por ali e em quanto tempo ele chegará - as palavras DUE/ANN significam que o ônibus já está no horário. Apesar de o tempo indicado nos painéis ser só aproximado, geralmente não há atrasos.


O táxi também é variável, mas até o Centro pode custar 30 euros - eles não têm taxímetro, mas o valor é regulado. Para informação sobre que ônibus pegar, consulte este site: http://www.dublinbus.ie/Route-Planner// é só entrar e digitar no espaço em "Where are you traveling from" = Dublin airport; e no espaço "Where do you wish to go", o seu destino - por exemplo, Parnel Street. O site lhe mostrará a rota e o número da parada de ônibus. Aproveite para olhar no Google maps 3D a rua do seu hostel, hotel, casa, etc. Você pode inclusive "sair passeando" pelas ruas e vizinhança para se acostumar ao ambiente, se familiarizar com os lugares por onde você passará, inclusive criando para si mesmo pontos de referência - foi só porque eu estava familiarizado com a área da casa onde ia ficar que consegui indicar ao taxista como chegar ao meu endereço, pois ele não sabia a rua onde a casa ficava.


Pelo Centro há cabines de informação espalhadas. Caso você necessite se localizar, é só chegar até lá, pedir um mapa (map /mép/) e dizer o nome da rua aonde você deseja ir. Os agentes são muito gentis e alguns até tentarão falar português com você - o número de brasileiros aqui é enorme! Eu costumo dizer que Dublin é nossa segunda casa, pois se escuta mais português na rua que inglês!

O Centro de Dublin é relativamente pequeno e você pode sempre se situar a partir de um monumento chamado Spire - é uma agulha gigantesca. Ela pode ser vista de várias partes da cidade.



Bem, agora que você já está acomodado, é começar a tratar da documentação. Os brasileiros não precisamos de visto para entrar na Irlanda ou outros países signatários do Acordo de Schengen. No entanto, se você vem estudar na Irlanda por mais de três meses, é necessário obter um visto de estudante e o número do GNIB (que é um documento obrigatório para todos os cidadãos que não fazem parte da UE). Seguem os detalhes abaixo:

Visto de estudante na Irlanda: Só quem precisa de visto é o estudante que ficará no país por mais de 3 meses - para um tempo inferior, só a autorização que é concedida por três meses ou pelo tempo exato do curso basta. Os estudantes que vêm no programa de 25 semanas (6 meses estudando, 6 meses trabalhando) necessitam do visto. Nos primeiros 6 meses você só pode trabalhar por 20 h semanais; nos 6 meses restantes você pode trabalhar até 40 h semanais (o salário aqui é pago por hora de trabalho, essa h geralmente varia entre 8 e 10 euros para trabalhos não especializados (kitchen porter, serviços gerais, arrumadeira, garçom, bartender...). Para obter o visto você vai passar por um processo de mais ou menos três semanas.

1o. É necessário (para estudantes que ficarão por mais de 3 meses) trazer consigo uma quantia mínima de 3.000 euros a fim de obter o visto e o n. do GNIB. Mas antes disso, você abrirá uma conta no Banco da Irlanda (vai chegar ao caixa, apresentar seu passaporte e carta da escola na qual conste  seu endereço - se você não estiver na residência estudantil d
a sua escola ou em homestay, pode pedir à escola que lhe dê uma carta onde conste o endereço para correspondência - e esperar entre 5 e 6 dias úteis para receber uma carta com o número da sua conta e no dia seguinte outra carta com seu cartão e senha).

2o. Após isso, você deve ir a uma agência do Banco da Irlanda e depositar seus 3 mil euros. No dia seguinte, você vai ao banco e pede um extrato de sua conta (Bank Statement) para provar que você tem os 3 mil disponíveis no banco. Esse extrato só chegará à sua casa após 5 dias úteis do pedido. Note que você só conseguirá o visto e o GNIB tendo em mãos: the letter of enrollment (carta de matrícula da escola), passaporte, Bank Statement (extrato bancário) e seguro médico obrigatório.

3o. Então, com tudo em mãos, você vai ao departamento de imigração e resolve sua vida. Você tem de chegar lá cedo, por volta das 7:00 da manhã, entrar na fila e esperar a senha. Eles lhe dizem que você dê um passeada e volte em duas horas - dependendo da época do ano em que você for, pode ser que fique na espera por 8 horas ou mais - eu cheguei às 6:50 e saí às 15:30 em outubro. Mas há os afortunados que chegaram lá à tarde e foram atendidos em 30 minutos em julho (dois, entre meus milhares de conhecidos).

4o. Você será chamado pelo número do seu tíquete. Vai para uma cabine onde apresentará ao agente da imigração os documentos necessários e um formulário com informações pessoais que você tem de preencher. Eles vão tirar uma foto sua e pedir que você aguarde ser chamado novamente. Após mais alguns minutos, vão te chamar numa sala onde tomarão suas impressões digitais (primeiro todos os dedos depois dedo por dedo) e coletarão sua assinatura. Você esperará por mais alguns minutos e recolherá seu passaporte e seu n. GNIB. Pronto, (quase) virou cidadão irlandês por um ano!

5o. Mas calma, ainda tem mais uma coisa para quem vai trabalhar: o PPS (Public Personal Service) que é tipo o nosso CPF e você só pode trabalhar (legalmente) tendo este número, a conta do banco e a autorização da imigração em mãos. Esse aqui é mais fácil de conseguir. No dia que você chegar, é só ir ao prédio do seguro social, retirar um formulário no serviço de informações, mostrar seu passaporte e endereço e esperar ser chamado pelo número que lhe darão. Lá, tirarão uma foto sua, lhe pedirão que preencha um documento com informações pessoais e duas perguntas de segurança, lhe mandarão pra casa e lhe dirão que espere por cinco dias úteis para receber o documento. (Atenção, você não precisa de falar inglês fluente para obter nenhum das coisas, mas, é bom que venha com pelo menos o básico para poder entender as informações).


Vou ficando por aqui hoje. Mais dúvidas, é só continuar enviando e-mail ou mensagem no Facebook.  Abaixo há uns links para serem visitados: http://www.garda.ie/controller.aspx?page=31   http://www.citizensinformation.ie/en/social_welfare/irish_social_welfare_system/personal_public_service_number.html
http://www.youtube.com/watch?v=xKTD31yOxeo&list=WL0huapFGpAnw7pgOPwc0oIvq3M03ZrbBE

E, é claro, visite: www.marciowaltermachado.com.br

Espero ter esclarecido as dúvidas. Até semana que vem.

Nenhum comentário:

Tervetuloa Turkuun! Turku, a cidade da margarida gigante.

“Perplexidade” – essa é a palavra que toma conta de nós quando ouvimos falar de ataques terroristas. Pois, é difícil entender, por exem...