sábado, janeiro 17, 2009

areia e vento

O que dói não é você falar que não pode me querer;
O que dói é não ver seus olhos me observando com interesse,
Com você atrás de mim me vendo andar e sorrindo enquanto sigo;
Dói mesmo é ver que parece tão fácil me dizer adeus,
Não querer minha boca na sua, nem meu corpo junto ao seu.

Sabe aquelas horas em que estávamos juntos,
Só você e eu e os lençóis e as palavras e sussurros de carinho?
É fácil esquecer isso? para mim não é - ainda sinto tudo, vejo tudo,
Ouço tudo, bem aqui, bem na minha pele.
Minha vontade é perguntar "por quê?",
Mas tem coisas que não se explicam, não é?

Não se explica, por exemplo, eu me apaixonar,
Eu querer estar ao seu lado,
Eu desejar seus lábios,
Eu pensar em você o dia inteiro à revelia da minha vontade.
Não se explica essa sensação cortante de perda,
Nem essa angústia imensa,
Esse sentimento de que arrancaram meu coração
E essa estranha impotência de sequer poder pedir a Deus que me ajude.

Eu tinha tanto a lhe dizer - mas só ao pé do ouvido!
Eu sonhei tantos sonhos e criei tantas ilusões sobre nós.
Mas as minhas ilusões são assim:
Um punhado de areia branca no topo de uma montanha
A que o vento vem e vai soprando, soprando, soprando
E leva embora tudo o que eu quis - foi sempre assim -
Por que seria diferente com você, não é?

O vento soprou você, foi criando um outro punhado de areia
No topo do monte de outra pessoa.
Tomara que um dia, sem querer, ele mude de direção
E mande você de volta pra mim.

Um comentário:

Rosianne Estrella disse...

Poeta !!!
Sem falsa modéstia,o que vc escreve realmente toca lá no fundo do coração!
Que lindas palavras de amor e sentimentos profundos!
Cara,vc é um artista !
Parabéns !!!
Preciso de um livro seu !!!
Assim que for lançado,me avise!
Grande beijo.

Rosianne Estrella
(Portugal)

Tervetuloa Turkuun! Turku, a cidade da margarida gigante.

“Perplexidade” – essa é a palavra que toma conta de nós quando ouvimos falar de ataques terroristas. Pois, é difícil entender, por exem...